Canções de Amor (Les Chansons d’amour, FR, 2007)

Canções de Amor (Les Chansons d’Amour – França, 2007)

Drama / Musical

Direção: Christophe Honoré

Roteiro: Christophe Honoré

Elenco: Louis Garrel, Ludivine Sagnier, Clotilde Hesme, Chiara Mastroianni, Grégoire Leprince-Ringuet, Alice Butaud, Brigitte Roüan, Jean-Marie Winling

É interessante ver um musical com personagens com uma dose real de espontaneidade. O fato de terem sido delineados após a composição das músicas, que poderia ser um problema, acabou por torná-los deliciosamente humanos ao seguirem um fluxo meio inconstante e incoerente de reações emocionais. Afinal coerência, em particular no campo do amor, é uma característica rara e neste filme as coisas simplesmente acontecem, as emoções oscilam e poucos sabem o que realmente querem.

Uma certa melancolia é constante no filme e atravessa a todos, menos um personagem que justamente representa a esperança do amor novo (e não apenas um novo amor). Nos demais, quase o tempo todo aceita-se, lamenta-se ou inveja-se o amor. É como se dissessem: “o amor esteve aqui, mas já foi” (o que ganha representação material num episódio trágico, mas presente desde o começo do filme). Nesta ausência, cada um decide como lidar com o amor: não vou amar mais, vou ocupar o lugar do ser amado, etc.

O personagem de Garrel não sabe o que fazer com o amor (que estava aqui mas já foi) , não corresponde necessariamente aos lugares amorosos que lhe esperam (de filho postiço, de amante) e acaba por se aventurar em uma solução inesperada. Honoré consegue capturar um instantâneo do amor, mesmo que para isso precise congelar o tempo.