Transexuais no Irã

belikeothers

Um dos países islâmicos que pune mais duramente a homossexualidade é o Irã. República confessional, onde a sharia foi codificada para tipificar condutas criminosas, punindo casais de pessoas do mesmo sexo com a morte, quer por enforcamento quer por apedrejamento. Neste contexto, um grande número de pessoas se surpreende com um dado: o Irã é um dos países que mais promove cirurgias de readequação sexual anualmente e, na verdade, o país possui uma política de mudança de sexo e de gênero inclusive nos documentos de identidade de pessoas que passaram pela cirurgia. Aparentemente esta é uma das legislações mais progressistas do mundo nesta questão.

O documentário Transexuais no Irã, filmado em 2007 e filmado por Tanaz Eshaghian se propõe a investigar esta prática, ouvindo os vários envolvidos no processo de mudança de sexo, médicos, familiares e amigos dos pacientes, e sobretudo pessoas que desejam passar pela cirurgia. Isto proporciona ao telespectador uma visão multifacetada do problema: se para os médicos, juristas e agentes públicos é uma prova que o Irã possui preocupações humanitárias de grande parte já que permite e incentiva o tratando da doença (sic) do transexualismo, para os pacientes e outros envolvidos com o outro lado a questão é bem outra. A cirurgia é a única possibilidade para muitos gays e  lésbicas de serem socialmente aceitos por suas famílias e amigos, e mesmo de sobreviver num Estado onde a polícia moral nunca está muito distante e pune duramente os desvios. Em verdade, o documentário dá a entender que a situação de pessoas que passarm pela cirurgia tampouco é confortável: nem todas as famílias aceitam estes “novos” homens e mulheres, sobretudo longe dos grandes centros como Teerã; agentes públicos continuam agindo com discriminação; e o lado mais perverso do esquema, impor a pessoas cisgêneras uma cirurgia arriscada, irreversível e com efeitos sociais e físicos extremamente complicados. Em última análise, a imposição de um modelo heterossexual e binário se apropriou da tecnologia para marginalizar ainda mais aqueles que são desviantes do ponto de vista da identidades de gênero ou da orientação sexual.

O documentário trabalha com dois transhomens como exemplos típicos da vida antes das cirurgias, do processo de readequação e do pós cirúrgico. Se Anusz recebeu apoio – mesmo relutante – da familia e do namorado para realizar todo o processo, Ali Askar quase foi morta pelo pai e foi totalmente excluída da família ao seguir em frente com o sonho de realizar a cirurgia. Apoiada apenas por um amigo chamado Farhadn que rapidamente denuncia o quanto pessoas LGBT são obrigadas a passar pelos riscos para não enfrentar o preconceito da sociedade e/ou a morte. Na memorável discussão com uma repórter da rádio estatal, ele lembra que a cirurgia é cara e não se traduz em qualidade de vida para quem a ela se submetem. A discussão entre Faradn e a repórter é chocante: para esta a questão parece se resumir a homens que se vestem de mulher e mulheres que se vestem de homem e que devem sofrer o preço por esta atitude, inclusive suportando violências e  marginalização. Em verdade, a fala demonstra o quanto a realidade trans, descrita de forma positiva pelos médicos e declarações do Estado, na prática é extremamente marginalizada.

O documentário pode chocar a princípio, mas permite refletir sobre a realidade de pessoas LGBT e sobretudo trans em outras parte do mundo, além de colocar em chequecertas concepções partilhadas tanto por médicos iranianos quanto brasileiros. A abordagem patologizante, que cria a necessidade da cirurgia como componente de (algum) reconhecimento e o preconceito social está presente tanto no Irã quanto no Brasil do começo do século XXI.

 


Transexuais no Irã (Be Like Others, 2008)
Direção: Tanaz Eshaghian